Astronomia

Posição da Via Láctea no céu

Posição da Via Láctea no céu

Estou procurando algum tipo de dado de limite para ser capaz de renderizar a Via Láctea em um mapa estelar, visível da Terra. Algo parecido com isto:

Para isso, preciso de algo como uma coleção de horas RA e graus DEC dos "pontos de fronteira" do que é visível da Terra (tecnicamente o Centro Galáctico), possivelmente com movimento adequado também. Não estou procurando dados precisos de luminosidade ou algo parecido, apenas os pontos da bolha no céu que mais se parecem com a forma e a posição da Via Láctea em relação à Terra. É importante que eu queira renderizar o mapa do céu para qualquer ponto da superfície da Terra, para qualquer momento (nos últimos 100 anos, pelo menos).

Você conhece um banco de dados assim? Estive procurando no VizieR, mas não consegui encontrar o que estava procurando.


Existe um projeto muito bom chamado d3-celestial de Olaf Frohn no github. Em contém um arquivo de dados que descreve a Via Láctea como polígonos, veja aqui. Uma demonstração dessa Via Láctea pode ser encontrada aqui. E melhor ainda, a fonte desses dados é citada, apontando para o Catálogo de Contornos da Via Láctea de Jose R. Vieira.

Dependendo do seu projeto, o formato json do d3-celestial pode ser mais fácil de ler do que o do Jose R. Vieira. Observe que você não precisa se preocupar com esses "contornos" movendo-se em uma escala de tempo de cem anos, mas esta é outra questão.


De memória (não tenho uma cópia aqui agora), o pacote HNSky costumava ser ter um arquivo "suplemento" desenhado à mão para a Via Láctea. Ele continha muitos pontos de dados organizados como pontos RA e Dec e foi extraído de fotografias, com um pouco de correção e escala.

Sugiro que você carregue e instale uma das versões anteriores ainda na página da HN Sky, como a 3.0.0, e procure o arquivo de suplemento. (A versão 3.2.3 mais recente não parece incluir este arquivo.)

Estes são apenas dados de posição - nenhum movimento adequado, etc. conforme a questão mencionada. Portanto, apenas uma resposta parcial.

(Observação: talvez você precise pedir permissão aos autores desse arquivo se for lançar um software com base nisso. Não há problema em olhar para ele por interesse puramente pessoal, é claro.)


O software do planetário, Guide, que pode ser encontrado em ProjectPluto.com, tem um mapa da Via Láctea. É assim que o conjunto de dados é descrito

"O banco de dados de nebulosa foi compilado por Eric-Sven Vesting para evitar os problemas que surgiram com os primeiros bancos de dados de nebulosas brilhantes. Por exemplo, versões anteriores do Guia coletaram dados de nebulosa de cinco catálogos separados. Havia poucos índices cruzados de um catálogo para outro e nenhuma maneira de indicar que uma designação se aplicava a uma parte de uma área maior com uma designação diferente. Além disso, os níveis de brilho foram aplicados de maneira inconsistente, na melhor das hipóteses. O banco de dados de nebulosa contém links explícitos entre os vários catálogos de nebulosa, permitindo que o Guia mostre todas as designações de um determinado objeto e evite desenhar alguns objetos duas vezes (se eles aparecerem em catálogos separados com nomes diferentes). Além disso, Eric-Sven Vesting criou as isofotas de nebulosa usadas por Guide para indicar as formas das nebulosas mais proeminentes. Melhores dados posicionais foram gerados, geralmente comparando as posições do catálogo com as imagens reais do RealSky."

(Espero não ter violado nenhum direito autoral sobre isso).

Não está claro onde está esse banco de dados, mas talvez você possa entrar em contato com ProjectPluto ou Eric-Sven Vesting diretamente.

Não tenho nenhuma afiliação ou conexão, financeira ou outra, com este software.


Onde fica a Via Láctea nas noites de maio?

No mês de maio, se você estiver em um local escuro nas latitudes temperadas do norte, pode estar procurando por uma das vistas mais espetaculares do céu, a faixa iluminada pelas estrelas da Via Láctea. Você não o encontrará no início da noite. Aquela faixa luminosa de estrelas formando um arco na cúpula do céu está longe de ser vista quando a noite cai em maio. Onde está a Via Láctea ao anoitecer deste mês?

Para começar, lembre-se de que o disco da nossa galáxia, a Via Láctea, é plano, como uma panqueca. Nas latitudes temperadas do norte, ao cair da noite no mês de maio, o plano do disco galáctico em forma de panqueca praticamente coincide com o plano do horizonte.

Como a Via Láctea circunda o horizonte em todas as direções ao anoitecer e no início da noite, não podemos ver essa estrada de estrelas até tarde da noite. Então & # 8230 uau! Bela.

Faixa iluminada pelas estrelas da Via Láctea. Foto de Larry Landolfi via NASA

O disco galáctico circunda o horizonte a cerca de 30 graus de latitude norte e # 8211 a latitude de St. Augustine, Flórida. Apreciavelmente ao norte desta latitude, o disco galáctico se inclina um pouco para cima no horizonte norte. Aproximadamente ao sul de 30 graus de latitude norte, o disco galáctico se inclina um pouco acima do horizonte sul.

Mesmo assim, a Via Láctea está praticamente fora de vista no céu do hemisfério norte durante as horas da noite em maio.

Como o sol, as estrelas nascem no leste e se põem no oeste. Se você ficar acordado até tarde da noite & # 8211 perto da meia-noite no início de maio, algumas horas antes em junho & # 8211 você & # 8217 começará a ver as estrelas do Triângulo de Verão & # 8211 Deneb, Vega e Altair & # 8211 elevando-se acima de seu horizonte oriental.

Em um céu escuro do campo, a faixa de estrelas da Via Láctea e # 8217s também se torna visível, pois a Via Láctea passa direto pelo Triângulo de Verão. Preste atenção, se você acordar no final deste mês.

Um gráfico de todo o céu das 25.000 estrelas mais brilhantes e brancas mostra como essas estrelas estão concentradas ao longo da Via Láctea. Este mapa mostra nossa visão interna limitada da Via Láctea. A grande mancha escura perto do meio da imagem é causada por nebulosas escuras próximas, ou nuvens de gás e poeira, que obscurecem as estrelas. Via altasoftheuniverse.com.

Resumindo: a faixa de luminescência suavemente brilhante da Via Láctea e # 8217s se esconde atrás do horizonte ao anoitecer e no início da noite no mês de maio. Mas se você ficar acordado até por volta da meia-noite, começará a ver a faixa iluminada pelas estrelas da Via Láctea subindo no céu oriental.


Astrônomos lançam novo mapa de todo o céu da Via Láctea e alcances exteriores # 8217s

Astrônomos usando dados dos telescópios da NASA e da ESA (Agência Espacial Européia) lançaram um novo mapa do céu da região ultraperiférica de nossa galáxia. [Nota do editor e # 8217s: consulte o link Multimídia relacionada abaixo.] Conhecida como halo galáctico, esta área fica fora dos braços espirais que formam o disco central reconhecível da Via Láctea & # 8217s e é esparsamente povoada por estrelas. Embora o halo possa parecer quase vazio, também está previsto que contenha um reservatório massivo de matéria escura, uma substância misteriosa e invisível que se pensa formar a maior parte de toda a massa do universo.

Os dados para o novo mapa vêm da missão Gaia da ESA & # 8217s e NASA & # 8217s Near Earth Object Wide Field Infrared Survey Explorer, ou NEOWISE, que operou de 2009 a 2013 sob o nome de WISE. O estudo faz uso de dados coletados pela espaçonave entre 2009 e 2018.

O novo mapa revela como uma pequena galáxia chamada Grande Nuvem de Magalhães (LMC) & # 8212 assim chamada porque é a maior das duas galáxias anãs orbitando a Via Láctea & # 8212 navegou pela Via Láctea & # 8217s halo galáctico como um navio através da água, sua gravidade criando uma esteira nas estrelas atrás dela. O LMC está localizado a cerca de 160.000 anos-luz da Terra e tem menos de um quarto da massa da Via Láctea.

Embora as porções internas do halo tenham sido mapeadas com um alto nível de precisão, este é o primeiro mapa a fornecer uma imagem semelhante das regiões externas do halo & # 8217s, onde a esteira é encontrada & # 8212 cerca de 200.000 anos-luz a 325.000 anos-luz do centro galáctico. Estudos anteriores sugeriram a existência do wake & # 8217s, mas o mapa do céu confirma sua presença e oferece uma visão detalhada de sua forma, tamanho e localização.

Essa perturbação no halo também oferece aos astrônomos a oportunidade de estudar algo que eles não podem observar diretamente: a matéria escura. Embora não emita, reflita ou absorva luz, a influência gravitacional da matéria escura foi observada em todo o universo. Acredita-se que ele crie um andaime sobre o qual as galáxias são construídas, de modo que, sem ele, as galáxias se separariam enquanto giram. Estima-se que a matéria escura seja cinco vezes mais comum no universo do que toda a matéria que emite e / ou interage com a luz, de estrelas a planetas e nuvens de gás.

Fique por dentro das últimas notícias da ciência. Aprenda sobre astronomia e espaço e outros tópicos interessantes. Inscreva-se gratuitamente »

Embora existam várias teorias sobre a natureza da matéria escura, todas elas indicam que ela deveria estar presente no halo da Via Láctea & # 8217s. Se for esse o caso, à medida que o LMC navega por esta região, ele também deve deixar um rastro na matéria escura. Acredita-se que a esteira observada no novo mapa estelar seja o contorno dessa matéria escura. As estrelas são como folhas na superfície deste oceano invisível, mudando sua posição com a matéria escura.

A interação entre a matéria escura e a Grande Nuvem de Magalhães tem grandes implicações para nossa galáxia. Enquanto o LMC orbita a Via Láctea, a gravidade da matéria escura e # 8217s se arrasta sobre o LMC e o retarda. Isso fará com que a órbita da galáxia anã & # 8217s fique cada vez menor, até que a galáxia finalmente colida com a Via Láctea em cerca de 2 bilhões de anos. Esses tipos de fusões podem ser os principais impulsionadores do crescimento de galáxias massivas em todo o universo. Na verdade, os astrônomos acham que a Via Láctea se fundiu com outra pequena galáxia há cerca de 10 bilhões de anos.

& # 8220Este roubo de energia de uma galáxia menor & # 8217s não é apenas o motivo pelo qual o LMC está se fundindo com a Via Láctea, mas também por tudo fusões de galáxias acontecem ”, disse Rohan Naidu, estudante de doutorado em astronomia na Universidade de Harvard e co-autor do novo artigo. & # 8220O rastro em nosso mapa é uma confirmação realmente interessante de que nossa imagem básica de como as galáxias se fundem está correta! & # 8221

Uma oportunidade rara

Os autores do artigo também acham que o novo mapa & # 8212 juntamente com dados adicionais e análises teóricas & # 8212 podem fornecer um teste para diferentes teorias sobre a natureza da matéria escura, como se consiste em partículas, como a matéria regular, e quais são as propriedades dessas partículas.

& # 8220Você pode imaginar que o rastro de um barco será diferente se o barco estiver navegando pela água ou pelo mel, & # 8221 disse Charlie Conroy, professor da Universidade de Harvard e astrônomo do Center for Astrophysics | Harvard & amp Smithsonian, co-autor do estudo. & # 8220Neste caso, as propriedades da esteira são determinadas pela teoria da matéria escura que aplicamos. & # 8221

Conroy liderou a equipe que mapeou as posições de mais de 1.300 estrelas no halo. O desafio surgiu ao tentar medir a distância exata da Terra a uma grande parte dessas estrelas: muitas vezes é impossível descobrir se uma estrela está fraca e próxima ou brilhante e distante. A equipe usou dados da missão Gaia da ESA & # 8217s, que fornece a localização de muitas estrelas no céu, mas não pode medir distâncias até as estrelas nas regiões externas da Via Láctea & # 8217s.

Depois de identificar estrelas provavelmente localizadas no halo (porque elas não estavam obviamente dentro de nossa galáxia ou no LMC), a equipe procurou por estrelas pertencentes a uma classe de estrelas gigantes com uma luz específica & # 8220signature & # 8221 detectável pelo NEOWISE. Conhecer as propriedades básicas das estrelas selecionadas permitiu à equipe descobrir sua distância da Terra e criar o novo mapa. Ele traça uma região começando a cerca de 200.000 anos-luz do centro da Via Láctea & # 8217s, ou sobre onde o despertar do LMC & # 8217s foi previsto para começar, e se estende por cerca de 125.000 anos-luz além disso.

Conroy e seus colegas foram inspirados a caçar o rastro do LMC & # 8217s depois de aprender sobre uma equipe de astrofísicos da Universidade do Arizona em Tucson que faz modelos de computador que prevêem como deve ser a matéria escura no halo galáctico. Os dois grupos trabalharam juntos no novo estudo.

Um modelo da equipe do Arizona, incluído no novo estudo, previu a estrutura geral e a localização específica da esteira estelar revelada no novo mapa. Assim que os dados confirmaram que o modelo estava correto, a equipe pôde confirmar o que outras investigações também sugeriram: que o LMC está provavelmente em sua primeira órbita ao redor da Via Láctea. Se a galáxia menor já tivesse feito várias órbitas, a forma e a localização da esteira seriam significativamente diferentes do que foi observado. Os astrônomos acham que o LMC se formou no mesmo ambiente que a Via Láctea e outra galáxia próxima, M31, e que está perto de completar uma longa primeira órbita em torno de nossa galáxia (cerca de 13 bilhões de anos). Sua próxima órbita será muito mais curta devido à sua interação com a Via Láctea.

& # 8220A confirmação de nossa previsão teórica com dados observacionais nos diz que nossa compreensão da interação entre essas duas galáxias, incluindo a matéria escura, está no caminho certo & # 8221 disse o aluno de doutorado em astronomia da Universidade do Arizona, Nicolás Garavito-Camargo, que liderou o trabalho no modelo usado no jornal.

O novo mapa também oferece aos astrônomos uma rara oportunidade de testar as propriedades da matéria escura (a água nocional ou mel) em nossa própria galáxia. No novo estudo, Garavito-Camargo e colegas usaram uma teoria popular da matéria escura chamada matéria escura fria que se ajusta ao mapa estelar observado relativamente bem. Agora, a equipe da Universidade do Arizona está executando simulações que usam diferentes teorias da matéria escura para ver qual delas corresponde ao rastro observado nas estrelas.

& # 8220É & # 8217 é um conjunto realmente especial de circunstâncias que se juntaram para criar este cenário que nos permite testar nossas teorias de matéria escura, & # 8221 disse Gurtina Besla, co-autora do estudo e professora associada da Universidade do Arizona . & # 8220Mas só podemos realizar esse teste com a combinação deste novo mapa e as simulações de matéria escura que construímos. & # 8221

Lançada em 2009, a espaçonave WISE foi colocada em hibernação em 2011 após completar sua missão principal. Em setembro de 2013, a NASA reativou a espaçonave com o objetivo principal de escanear objetos próximos à Terra, ou NEOs, e a missão e a espaçonave foram renomeadas para NEOWISE. O Laboratório de Propulsão a Jato da NASA & # 8217s no sul da Califórnia administrou e operou o WISE para a NASA & # 8217s Science Mission Directorate. A missão foi selecionada competitivamente pelo Programa de Exploradores da NASA & # 8217s, administrado pela agência & # 8217s Goddard Space Flight Center em Greenbelt, Maryland. NEOWISE é um projeto do JPL, uma divisão da Caltech, e da Universidade do Arizona, apoiado pela NASA e o Escritório de Coordenação de Defesa Planetária # 8217s.

Fornecido por: Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics


Como saber onde e quando a Via Láctea aparecerá

Frequentemente me perguntam como sou capaz de antecipar ou prever quando a Via Láctea e outros objetos celestes estarão em posição nos céus para minhas fotografias. Nesse sentido, gostaria de compartilhar que uso uma combinação de conhecimento e ferramentas de software para ajudar a impulsionar esse conhecimento e compreensão.

Olhando para trás na história, não foi há muito tempo que me fiz as mesmas perguntas. Eu estava seguindo alguns outros fotógrafos noturnos excelentes onde de repente me dei conta de que esses caras definitivamente não estavam adivinhando - eles sabiam o que esperar antes de sair na escuridão. Então comecei a fazer algumas pesquisas para ver quais ferramentas baseadas em PC eu poderia encontrar - principalmente do lado astronômico da fotografia.

Opção nº 1 - Stellarium
Pouco depois de começar a caçada, encontrei um aplicativo de software gratuito chamado Stellarium (de http://www.stellarium.org/) que ajudou a abrir meu apetite. Considerando o preço (eu disse que era grátis?), É difícil não recomendar que as pessoas pelo menos dêem uma olhada nessa opção.

Opção 2 - SkyGazer
Em busca de mais, acabei comprando outro programa chamado SkyGazer 4.5 (em http://www.carinasoft.com/skygazer.html) e usei-o por vários anos com bom sucesso. Por apenas US $ 29 para um download online, tenho que recomendar essa opção por ter um valor geral muito bom.

Opção nº 3 - Noite estrelada
Mais recentemente, dei uma olhada em outro aplicativo de software e fiquei impressionado com sua combinação de funcionalidade e realismo - chamado Starry Night. Decidi comprar a edição profissional mais avançada em http://astronomy.starrynight.com/, pois inclui dados para cometas - algo que achei que valia a pena o gasto extra. Meus testes mostram que é o vencedor claro - com realismo e recursos aprimorados. Na verdade, estou tão impressionado com Starry Night, que me dediquei a aprender como aproveitá-lo ao máximo. E enquanto a Pro Edition custa US $ 149, um download online da edição regular está disponível por apenas US $ 49,95. Achei que este tinha o melhor valor geral e, portanto, é minha melhor recomendação do grupo.

Compreendendo os padrões da Via Láctea
Ao longo do caminho, aprendi que a Via Láctea segue alguns padrões que são muito úteis para entender. Em geral, ele aparece em certos momentos da noite como uma linha tênue, ampla e nublada de estrelas que se estende de norte a sul. E embora seja visível em qualquer época do ano, os da América do Norte terão sua melhor visão da Via Láctea nos meses de verão, de maio a setembro. É quando a porção mais brilhante e visível da Via Láctea perto do centro da galáxia é alta o suficiente no céu para ser vista quando se olha para o sul. Na primavera, a Via Láctea aparece por algumas horas da manhã antes do crepúsculo, no verão por grande parte da noite e no outono por algumas horas após o crepúsculo.

Resumo - Aplicativos de software de astronomia favoritos
No mínimo, todos os três aplicativos de software fazem um bom trabalho ajudando a se tornar mais consciente do tempo de objetos celestes nos céus. E embora eu possa ter meus favoritos, todos eles fazem um bom trabalho em ajudá-lo a prever e antecipar onde a Via Láctea e outros objetos aparecerão.

  • Stellarium
    1. Gratuito
    2. Avaliação: inicialmente útil, mas não possui alguns recursos avançados
    3. Disponível em: http://www.stellarium.org/
  • Sky Gazer
    1. Custo: $ 29 para um download online
    2. Avaliação: Valor geral muito bom
    3. Disponível em: http://www.carinasoft.com/skygazer.html
  • Noite estrelada
    1. Custo: $ 49,95 para um download online (com opções mais avançadas disponíveis)
    2. Classificação: Melhor do grupo
    3. Disponível em: http://astronomy.starrynight.com/

Espero que essas ferramentas ajudem no seu conhecimento e compreensão do que se passa nos céus. Avise-me se tiver alguma dúvida.


A distribuição de objetos do céu profundo

Por estarmos dentro do disco da galáxia, ele aparece como uma faixa de luz que circunda todo o céu.

O gráfico abaixo mostra a distribuição de vários tipos de objetos do céu profundo no céu noturno. Os pontos azuis representam aglomerados abertos de estrelas, fortemente concentrados no plano da galáxia. Os pontos verdes representam aglomerados de estrelas globulares, que são vistos em todo o céu, mas se concentram principalmente em torno da constelação de Sagitário, em uma ascensão reta de cerca de 18 horas. Esta é a direção em que se encontra o centro da galáxia.

Os pontos vermelhos mostram galáxias externas, que estão mais distantes. Eles tendem a ser vistos predominantemente fora do plano da Via Láctea. Isso não tem nada a ver com sua distribuição física no espaço, mas apenas porque é mais difícil ver galáxias que estão atrás do plano da Via Láctea, pois há muito material no caminho.


Fonte: NGC2000.0.


Vendo nossa galáxia

O aplicativo Nosso Galaxy pode ser operado em dois modos que são ativados tocando em Galaxy ou Sky na barra de ferramentas do aplicativo. A barra de ferramentas também apresenta ícones para abrir o menu de pesquisa e a biblioteca de visualizações, ler uma página de informações sobre o objeto selecionado, alternar o modo noturno de luz vermelha, abrir o menu de configurações do aplicativo e ajuda. Dois ícones em forma de nave espacial caprichosos na barra de ferramentas servem como controles de zoom & mdash um leva você para mais perto, o outro voa para fora.

O Galaxy View apresenta um modelo tridimensional da forma espiral em barras da Via Láctea que você pode inclinar e girar, além de aumentar e diminuir o zoom. Um único toque no menu Configurações Orientação permite selecionar orientações predefinidas, como uma visualização de borda e uma visualização de face. No menu Central, você pode escolher manter nosso sol no centro ou girar em torno do núcleo galáctico ou em torno de uma estrela selecionada ou objeto do céu profundo. No topo da tela são mostrados a sua distância do objeto selecionado e o campo de visão (FOV) sendo exibido em anos-luz.

O Sky View desenha um mapa retangular (ortográfico) de todo o céu visto da Terra. As coordenadas do céu em graus são rotuladas em torno do perímetro do mapa. As principais estrelas e linhas que formam as constelações são plotadas em branco sobre um fundo preto. Os objetos do céu profundo são sobrepostos usando símbolos coloridos. O mapa pode ser ampliado e panorâmico. Tocar em um símbolo mostra o nome de seu objeto. Traçar uma ou mais categorias de objetos do céu profundo na visualização do mapa ilustra como eles podem ser usados ​​para definir a estrutura de nossa galáxia, ou ser completamente independentes dela - todas as informações úteis para entender como galáxias como a nossa são estruturadas. Um único toque alterna entre a visualização do céu e da galáxia.

O aplicativo é altamente configurável. Você pode decidir se deseja exibir nomes rotulados ao lado dos símbolos, identificar os vários braços espirais da galáxia e mostrar aos Setores da Constelação & mdash as porções da Via Láctea que estão na direção de certas constelações, como Orion, Gemini ou Cygnus .

Para limpar a visualização, basta entrar no menu de configurações e tocar nas opções de remoção.

O aplicativo contém uma extensa biblioteca de estrelas e objetos. Um objeto pode ser selecionado digitando seu nome ou sua designação no menu de pesquisa & mdash ou tocando em seu símbolo na tela. Vários objetos do céu profundo podem ser exibidos ao mesmo tempo, como descrevo abaixo.

O poderoso menu de pesquisa do aplicativo permite que você digite todo ou parte do nome ou designação de um objeto, inclua ou exclua tipos de objeto e limite a pesquisa a intervalos específicos de magnitude (brilho), distância, idade, tamanho e muito mais. Você pode até pesquisar todas as constelações ou selecionar uma única constelação.

A lista de resultados pode então ser exibida no mapa ou modelo 3D. É especialmente interessante ver como as estrelas e os objetos do céu profundo de uma única constelação caem a distâncias muito diferentes de nosso sol.

Quanto mais você trabalha com o aplicativo, mais você aprenderá sobre astronomia, astrofísica e cosmologia & mdash, tudo apresentado com texto e gráficos claros e compreensíveis.

A biblioteca Views é especialmente educacional para entender como várias classes de objetos povoam a galáxia. Nove categorias são oferecidas: estrelas individuais e associações OB (estrelas quentes e brilhantes), aglomerados abertos e globulares, vários tipos de nebulosas, galáxias e componentes estruturais de nossa galáxia. Também há uma entrada para a lista de objetos Messier conhecidos. Cada entrada possui um ícone de informação para chamar uma descrição dessa classe de objeto.

Tocar em qualquer categoria abre uma sublista que permite selecionar todos os membros da classe ou subgrupos. Por exemplo, na visualização Nebulosas difusas, você pode tratar nebulosas de emissão e reflexão como grupos separados ou combinados, cada tipo codificado por cores de forma adequada (com vermelho para luz emitida de hidrogênio, azul para luz estelar espalhada na poeira e verde para ambos os fenômenos )

O menu Visibility contém controles deslizantes para traçar os eixos galácticos e adicionar representações de malha de arame da protuberância central da galáxia, halo-esfera de matéria escura e muito mais.

Para fãs de cosmologia, o aplicativo contém localizações 3D para centenas de galáxias. Selecionar a categoria de galáxias e usar "Visualização da galáxia" coloca você a 92 bilhões de anos-luz de distância de casa. A manipulação do modelo mostra como algumas galáxias se concentram em grupos enquanto outras deixam vazios no universo visível.

O aplicativo Our Galaxy lhe dará uma perspectiva verdadeira sobre nosso lugar no espaço. Bill Tschumy postou um vídeo de demonstração do aplicativo no YouTube aqui. Divirta-se explorando a galáxia e, como sempre, continue olhando para cima!

Chris Vaughan é especialista em educação e divulgação pública em astronomia na AstroGeo, membro da Royal Astronomical Society of Canada e operador do histórico telescópio David Dunlap Observatory de 74 polegadas (1,88 metros). Você pode contatá-lo via o emaile siga-o no Twitter @astrogeoguy, bem como em Facebook e Tumblr. Siga SkySafari no Twitter @SkySafariAstro. Siga-nos no Twitter @Spacedotcom e em Facebook.


O impressionante lapso de tempo da Via Láctea mostra como o céu noturno mudará em 400.000 anos

Link copiado

Via Láctea: lapso de tempo de 1,6 milhões de anos revelado

Quando você se inscrever, usaremos as informações fornecidas para enviar esses boletins informativos. Às vezes, eles incluem recomendações para outros boletins ou serviços relacionados que oferecemos. Nosso Aviso de Privacidade explica mais sobre como usamos seus dados e seus direitos. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

A Via Láctea existe há mais de 13 bilhões de anos e, desde então, mudou muito. Impactos galácticos e fusões com nossos vizinhos cósmicos mais próximos significam que a paisagem da galáxia está sempre em movimento. E lá embaixo na Terra, fatores como o movimento e a precessão do planeta significam que nossos ancestrais, 40.000 anos atrás, olhavam para um céu noturno muito diferente.

Tendência

O mesmo é verdade para o futuro, de acordo com um novo lapso de tempo de tirar o fôlego publicado pela Agência Espacial Europeia (ESA).

O lapso de tempo mostra como o céu noturno será diferente daqui a 400.000 anos.

Os astrônomos simularam um lapso de tempo de como as 40.000 estrelas mais próximas de nosso sistema solar se moverão nos próximos milênios.

As estrelas estão todas a 325 anos-luz do Sol e foram mapeadas pelo observatório espacial Gaia da ESA.

Você pode assistir ao lapso de tempo da Via Láctea no vídeo incorporado acima.

Lapso de tempo da Via Láctea: o movimento simulado de 40.000 estrelas no agalxy (Imagem: ESA / Gaia / DPAC, CC BY-SA 3.0 IGO)

Lapso de tempo da Via Láctea: o céu noturno parecerá muito diferente daqui a milhares de anos (Imagem: ESA / Gaia / DPAC, CC BY-SA 3.0 IGO)

CONSULTE MAIS INFORMAÇÃO

Cada raio de luz representa um corpo celeste real movendo-se pela Via Láctea em incrementos de 80.000 anos.

As trilhas também indicam o quão brilhantes as estrelas parecem hoje.

Como todas as estrelas se movem em suas órbitas do centro galáctico, sua posição aparente no céu em relação a outras estrelas muda.

Os astrônomos referem-se a este movimento como movimento próprio e é mais ou menos dramático para estrelas diferentes.

No lapso de tempo ESA, algumas das estrelas produzem listras mais curtas que indicam estrelas se movendo em um ritmo lento, enquanto estrelas mais rápidas deixam para trás caudas mais longas.

Os dinossauros vagaram pela Terra do outro lado da Via Láctea, diz o cientista

A ESA disse: "O deslocamento no céu é ditado pela distância da estrela e pela velocidade com que se move.

"Estrelas que estão próximas e se movendo em alta velocidade mudarão de posição no céu rapidamente, enquanto estrelas que se movem em velocidades intrinsecamente mais baixas ou estão distantes mudarão de posição lentamente."

Você também notará que as estrelas parecem se concentrar no lado direito do lapso de tempo, como se atraídas por alguma força invisível.

Mas este é o resultado do movimento de nosso Sol em relação às outras estrelas.

Como todos os corpos na Via Láctea, o Sol está em movimento e isso causa a aparente mudança de outras estrelas na direção oposta.

Dicas para observar as estrelas: guia rápido para entusiastas da astronomia amadores (Imagem: EXPRESS)

Lapso de tempo da Via Láctea: a espaçonave Gaia traçou cerca de 1,8 bilhões de objetos (Imagem: ESA)

CONSULTE MAIS INFORMAÇÃO

A ESA disse: "Se você se imaginar movendo-se por uma multidão de pessoas (que estão paradas), então, na sua frente, as pessoas parecerão se afastar conforme você se aproxima delas, enquanto atrás de você as pessoas parecerão estar cada vez mais próximas conforme você se afasta deles.

“Esse efeito também ocorre devido ao movimento do Sol em relação às estrelas.

"Portanto, o Sol está se movendo em direção a um ponto no céu no quadrante superior esquerdo do vídeo, enquanto se afasta do quadrante inferior direito."

Do início ao fim, a simulação abrange um incrível 1,6 milhão de anos de história simulada.

Mas o último quadro do vídeo se concentra no céu noturno de apenas 400.000 anos a partir de agora.

Artigos relacionados

A ESA disse que a decisão foi tomada para evitar muita aglomeração nas trilhas das estrelas brancas.

O mais recente tesouro de dados de Gaia foi publicado em 3 de dezembro deste ano.

Os dados mostram a posição de cerca de 1,8 bilhões de objetos, incluindo 330.000 estrelas

Os astrônomos acreditam que as informações coletadas criaram o mapa mais detalhado da Via Láctea até o momento, o que ajudará muito a compreender nosso lugar no Universo.


Posição da Via Láctea no céu - Astronomia

Todos nós amamos e perseguimos a Via Láctea em busca de novas composições que transmitam nossos pensamentos ao mundo. Certamente, alguns de vocês precisam prever isso para preparar workshops e viagens fotográficas. No final das contas, todo fotógrafo de paisagem precisa de uma maneira de entender e prever melhor a Via Láctea e, em particular, o Centro Galáctico.

No artigo “Como tirar fotos verdadeiramente contagiosas da Via Láctea”, explicamos tudo o que você precisa para transformar suas ideias da Via Láctea em imagens reais, passo a passo, desde fontes e equipamentos inspiradores até configurações de câmera. Neste artigo, você aprenderá a parte do planejamento em detalhes.

Obtenha este e-book gratuitamente agora!

Obtenha este e-book gratuitamente agora!

Via Láctea: o guia definitivo da fotografia

Além disso, como aprendemos em outro artigo How-To, a ferramenta Night Augmented Reality da PhotoPills é útil ao planejar nossas fotos da Via Láctea, mas, com a chegada do Planejador da Via Láctea Centrado em Mapa 2D, avançamos alguns passos para fazer o planejar ainda mais fácil.

Interessado em dominar o planejamento da Via Láctea com a visualização Noturna de Realidade Aumentada e o Planejador Centrado em Mapas 2D? Então, assista ao seguinte vídeo. Você vai amar!

Se você deseja filmar o Centro Galáctico alinhado com um assunto especial que você conhece (formação rochosa, farol, árvore, etc) ou deseja capturar todo o arco da Via Láctea acima de uma construção de pedra antiga, o Planejador da Via Láctea 2D é para você.

Não importa a localização na Terra em que você está ou planeja ir, este tutorial o ajudará a aprender os segredos escondidos nesta nova pílula fotográfica, permitindo que você planeje rapidamente qualquer foto da Via Láctea que você imaginar.

Mas… as primeiras coisas primeiro! O planejador 2D da Via Láctea inclui algumas coisas que precisam ser explicadas em detalhes antes de você começar a planejar como um louco. Seja paciente, não se apresse, tenha em mente as sábias palavras de Molière:

"Árvores que demoram a crescer dão os melhores frutos."

Vamos começar com o básico!

Contente

1 Como posso ativar o planejador da Via Láctea centrado em mapas 2D?

A primeira coisa que você precisa aprender é onde encontrar o botão que ativa o 2D Miky Way Planner.

No Planejador, coloque o alfinete do Observador próximo a um assunto de seu interesse. Neste exemplo, coloquei-o perto de Naveta d'Es Tudons, a tumba de câmara megalítica mais notável da Europa.

Acima do mapa (primeira captura de tela), você vê o painel de informações do sol / nascer da lua / pôr-do-sol. Drag the top panels to the left until you get to the Galactic Center visibility information panel. It’s the one following the Magic Hours’.

This panel is telling you that the Galactic Center is always invisible during the night between December 21 st and 22 nd 2014. As I explained in the article How to Plan the Milky Way Using The Augmented Reality, the Galactic Center will not be properly visible until March 2015 (Northern Hemisphere).

Notice that, on the left-hand side of the panel, there is a button with a kind of Milky Way icon on it. This is a three state button which allows you to control what is displayed on the map: (i) only sun and moon, (ii) sun, moon and Milky Way altogether or (iii) only Milky Way.

Tap on this button to activate the 2D Milky Way map representation. The icon of the button is telling you that sun, moon and Milky Way information is displayed on the map. If you wish to work with the Milky Way only, just tap on it again. Now, the sun and moon azimuth lines have disappeared and the icon of the button is only showing you the Milky Way.


Sun, moon and Milky Way map representation activated.
  • At the moment, the Milky Way arch is not displayed on the map. This is because the time is set at 12:49pm (daytime) and PhotoPills will only show you the Milky Way arch during nighttime.

If you dare to include the moon and the Milky Way in the same image, tap again on the button until you see the sun, moon and Milky Way information displayed on the map. Then, got to the sun/moon position information panel and tap on the sun/moon button to switch off the sun azimuth lines. Go back to the Galactic Center Visibility panel. Notice that the icon of the Milky Way button adjusts too.


Tap on the sun/moon button from the sun/moon position information panel to switch off the sun azimuth lines.
Now you can go back to the Galactic Center visibility panel and work with the Milky Way and the moon only.

2 How Is the Milky Way Arch Displayed On The Map?

The concentric thin gray circumferences you see around the Observer’s pin (red pin) will help us assess the elevation of the Milky Way arch and its position in the sky: near the horizon, above it or just above our heads.

The elevation between two consecutive circles is 10⁰. The outer circumference represents an elevation of 0⁰, when the arch is low in the sky, at the horizon level. The following one represents 10⁰ and so on (20⁰, 30⁰,etc) until 90⁰, when the arch is just above the observer’s pin. Summing up, these circumferences help us visualize whether the Milky Way arch is low in the sky, near the horizon, or above our heads.

As I said before, PhotoPills considers that the Milky Way will become visible only when it's completely dark. Thus, the Milky Way is only displayed on the map during nighttime, which is the period of time between the end of the evening astronomical twilight and the beginning of the morning astronomical twilight, when the sun is below -18⁰.

To see the Milky Way displayed on the map, move time forward to the end of the evening astronomical twilight (7:00pm). It's the white dotted arch you see in the second screenshot.


It’s not nighttime (2:55pm), therefore the Milky Way arch is not displayed on the map.
At the end of the evening astronomical twilight (7:00pm), the Milky Way appears on the map.
  • Notice that the dots in the Milky Way arch have the same size. This is because neither the Core of the Milky Way nor the Galactic Center is visible yet.
  • When the Core begins to be visible, the dots in the Milky Way arch get progressively bigger, being the biggest dot the representation of the Galactic Center.
  • Due to I have the the world light distribution layer switched on, you've seen that the map has changed the color when I've moved time towards the night. When it's daytime, there is no color layer, but as you get into the golden hour, twilights and night, the map appears colored to help you assess the light you'll have. Now, I'll switch off the layer and most of the screenshots in this tutorial will appear uncolored , although I will be working during nighttime.

To better understand how the gray circumferences can help us assess the elevation of the arch, have a look at the following screenshots.

In the first screenshot, the center of the Milky Way arch is near the Observer’s pin, touching the circumference of 80⁰ of elevation. This means that the maximum elevation of the Milky Way arch is 80⁰ approximately, almost above our heads.

To get the exact number, drag the Galactic Center visibility information panel to the left. You’ll get to the Milky Way quality information panel (second screenshot). On it, you can read the Milky Way maximum elevation (second row): 80.7⁰.


Milky Way arch is high in the sky. Its center is touching the 8th circumference which represents an elevation of 80⁰.
Read on the Milky Way quality information panel the maximum elevation of the arch: 80.7⁰.
  • Have a look at the Milky Way picture that is on the Milky Way quality information panel (second screenshot). It’s showing you how you’d see the Milky Way if you where on the Observer’s pin position at 10:42pm on December 21st 2014. In this case, you’d see it pretty vertical. This is consistent with the Milky Way maximum elevation: 80.7⁰. It’s another feature that will help you assess how you’ll see the Milky Way in the Sky: horizontal (near the horizon), diagonal or vertical.
  • Near the Milky Way picture, you find the Milky Way Quality information bar, which takes into consideration the phase of the moon to help you easily find the best days to photograph the Milky Way: new moon days.
  • During new moon days, the bar is full, meaning you’ll have total darkness, the best conditions to shoot the Milky Way. The bar will be empty during full moons, when light conditions aren't good.
  • Tap once on the Milky Way picture and time will jump forward to the next best quality date to shoot the Milky Way. Double-tap on it to jump backwards to the previous best quality date to shoot it.
  • Finally, on this panel, you also get the azimuth (288.9⁰) and the elevation (-65.5⁰) of the Galactic Center for the Observer’s pin position and current date and time.

I recommend you to use the Night Augmented Reality view to double-check the Milky Way position in the sky.


South East - Night Augmented Reality view of the Milky Way. Notice that the Milky Way is pretty vertical.
North West - Night Augmented Reality view of the Milky Way.

We've also drawn the following picture to show you, approximately, the position of the Milky Way.

When you move time forward, the arch gets wider on the map as the center of the arch moves away from the Observer’s Pin (first screenshot), meaning that the Milky Way is getting lower in the sky, close to the horizon. In this case, the maximum elevation of the arch is 17.7⁰ (second screenshot).


Read on the Milky Way quality information panel the maximum elevation of the arch: 17.7⁰.

Again, the following Augmented Reality screenshots and picture will help you visualize how the Milky Way is represented on the map.


North East - Night Augmented Reality view of the Milky Way. Notice that the Milky Way appears to be pretty horizontal.
South West - Night augmented reality view of the Milky Way.
The same information represented on a picture. The maximum elevation of the arch is 17.7⁰.

With a single glance at the map, you’ll be able to understand the position of the Milky Way in the sky, its orientation (horizontal, diagonal, vertical) and visualize, as you move time forward/backwards, how it moves.

Remember that you can always use the Night Augmented Reality view to double-check that you get what you plan.

3 Milky Way And World Light Distribution Layer… When All Make Sense

When it comes to the Planner, all make sense… Let me prove it!

Move time backwards until is daytime, you’ll see the Milky Way disappear. Now, switch on the world light distribution layer by tapping on the button you find on the twilights information panel. Then, zoom out until you have a complete view of the light layer.

Now, move time forward to the end of the evening astronomical twilight, the exact moment PhotoPills considers the Milky Way to become completely visible. Notice that the Observer’s pin is just on the light line that separates astronomical twilight and night.

At this time, the picture of the Milky Way you see on the top information panel will become bright and the Milky Way arch will appear on the map.


The Milky Way is still not visible. The Picture of the Milky Way you see on the top panel is not bright.
At the end of the evening astronomical twilight, the Milky Way appears on the map.

Keep moving time forward and see how the Milky Way arch progressively fades, until it completely disappears.


At the beginning of the morning astronomical twilight, the Milky Way is still visible.

Having both, the world light distribution layer and the Milky Way, displayed on the map at the same time is very useful, for example, to visually find out when is the best time of the year to plan a trip to Iceland, in terms of Milky Way possibilities.

If you continuously change time starting on January 1 st 2014 and ending on December 31 st 2014, you’ll see how light conditions change throughout the year. You’ll realize that, from March to September, it is not a good idea to go to Iceland, because the Observer’s pin is never within the darker layer, it’s never nighttime!

4 Where The Milky Way Meets The Horizon: An Award-Winning Image

The white line connecting both ends of the Milky Way arch shows you the two directions where the Milky Way meets the horizon. This means that if you were on the Observer’s pin position, and looked towards both directions of the white line, you’d see that the Milky Way meets the horizon in these directions.

This line will help you plan any photo in which you wish the Milky Way arch to start or end in a determined direction, for example, aligned with a subject (lighthouse, rock, etc). It’s ideal for shooting panoramas of more than 180⁰ (horizontal) and capturing the whole Milky Way arch.

Have a look at the following example. Let’s align one of the ends of the Milky Way with the lighthouse of Nati (40.050513, 3.823813), in Menorca. Set the date to December 22 nd 2014 (new moon) and drop the Observer’s pin on a spot which leaves the lighthouse in the south.

Now, you only have to move time forward until the azimuth line of one of the ends of the Milky Way is aligned with the lighthouse, which happens at 4:21am on the 23 rd .


Milky Way arch at the end of the evening astronomical twilight.
Move time forward until one of the ends of the Milky Way (the white line) is aligned with the lighthouse, which happens at 4:21am on the 23rd.

Again, use the Night Augmented Reality view to double-check the Milky Way position in the sky.


Night augmented reality view showing you that the Milky Way begins just right from behind the lighthouse.

This is a representation of what you should get with a panorama:

I hope you realize how important this feature is. It is extremely useful to plan shots like Mark Gee’s winning image of the Astronomy Photographer of the Year 2013: Guiding Light To The Stars.

This is a spectacular view of the Milky Way arching over the coast of the North Island of New Zealand. I love the way that the Milky Way appears to emanate from the lighthouse – really cementing the connection between the stars and the landscape.

Have a look at the image, the central patch of light in the sky marks the Galactic Center, the bulge of stars at the heart of our Galaxy, 26,000 light years away.

Would you like to learn how to predict the Galactic Center, the central spot of the brightest area of the Milky Way? Keep reading!

5 How To Plan The Galactic Center


A representation of the lines that show you the range of directions (azimuths) where the Galactic Center will be visible.

The simplest way to understand how the Galactic Center information is displayed on the Planner, and how you can use it to plan a shot, is by having a look at an example.

Let’s see how you can use the 2D Milky Way Planner to find out the exact date and time the Galactic Center will be in front of the Naveta d’es Tudons (40.003128, 3.891558).

Drop the Observer’s pin near the Naveta and set the next new moon date (complete darkness). Remember that we always plan Milky Way shots happening during the new moon and the 4 days before and after it.

Let’s assume that you are planning this shot on December 12th 2014. Tap on the Milky Way picture you find on the Milky Way quality information panel to set December new moon date: 22 nd 2014. Shhhh. This is our secret short-cut to jump to next best quality day to shoot the Milky Way… Please don’t tell!


Assume that you start planning on the December 12th 2014.
Tap on the Milky Way picture you see on the top panel to jump forward in time to next new moon: December 22nd 2014

Go to the Galactic Center visibility panel (first screenshot). From this panel you learn that that the Galactic Center is always invisible. Thus, December is not a good month for shooting it. Let's have a look at the following new moon day. Again, tap on the Milky Way picture to land on January new moon: 20 th 2015.

Now, the visibility panel (second screenshot) is telling you that the Galactic Center will become visible at 6:16am (on the 21 st ) at azimuth 128.5⁰ when it is rising. Also, it’ll become invisible at 6:27am at azimuth 130.3⁰ and elevation 1.4⁰.


During December 2014 new moon, the Galactic Center will not be visible.
During January 2015 new moon, you’ll only have 11 minutes to shoot the Galactic Center.

Notice that the information you find on the visibility panel refers to the night between two consecutive dates: from the 20 th to the 21 st . This is the reason I know that 6:16am refers to the 21 st (morning) and not the 20 th .

Have a look at the two azimuth lines that have appeared on the map. The light gray line is showing the direction where the Galactic Center will become visible (azimuth 128.5⁰) and the dark gray one, where it’ll become invisible (azimuth 130.3⁰).

With all this information, You can get to the conclusion that, for this location, January is not a good month for capturing the Galactic Center. Although you’ll manage to see it, you’ll only have 11 minutes to enjoy it… and 6:16am is too early in the morning!

Let’s have a look at the February, March, April and May new moons and see how the visibility of the Galactic Center evolves.

During February new moon night, the Galactic Center will be visible for 1 hour and 43 minutes, starting at 4:18am (February 20 th ) and ending at 6:01am (February 20 th ). In March, the total visibility time is 2 hours and 52 minutes.


February 2015 new moon total visibility time: 1 hour and 43 minutes.
March 2015 new moon total visibility time: 2 hours and 52 minutes.

As you jump from month to month, you'll see how the total visibility time increases and the angle between the two visibility azimuth lines gets larger. During April new moon, the total visibility time is 3 hours and 54 minutes, starting at 1:30am (April 19 th ) and ending at 5:24am (April 19 th ). In May, the total visibility time reaches 5 hours and 2 minutes, starting at 11:32pm (May 18 th ) and ending at 4:34am (May 19 th ), which are very nice conditions for planning a Milky Way shot.


April 2015 new moon total visibility time: 3 hours and 54 minutes.
May 2015 new moon total visibility time: 5 hours and 2 minutes.

Let's stay on May 18th. If you set the time at 11:32pm (first screenshot), a white line will appear on the light gray visibility azimuth line. It’s the Galactic Center azimuth line. A bigger white circle, that represents the Galactic Center, marks the crossing point between this new azimuth line and the Milky Way arch. This way, you can easily distinguish the Galactic Center on the Milky Way arch.

Go to the Milky Way quality panel (second screenshot). Notice that the quality bar is full, meaning that you’ll have complete darkness. The Milky Way arch maximum elevation is 15.4⁰, the arch is low in the sky which is also confirmed by the Milky Way picture (pretty horizontal).

Also, this panel gives you the Galactic Center position for the selected date and time: azimuth 128.6⁰ and elevation 0.0⁰ (rise).


At 11:32pm, the Galactic Center azimuth line appears on the map.
The quality information panel displays the position (azimuth and elevation) of the Galactic Center numerically.
  • As you get near 11:32pm, you’ll notice how the white dots near the line, which connects both ends of the arch, suddenly get bigger and bigger, until the Galactic Center becomes visible.
  • The white dots on the arch start to get bigger when the core of the Milky Way starts to become visible.

Check now the night augmented reality view to have a better understanding of the position of the Galactic Center and the inclination of the Milky Way arch.


Galactic Center rise at 11:32pm May 18th 2015.

Move time a little bit forward to see how the Galactic Center moves on the map. The Galactic Center azimuth line is showing you its direction seen from the Observer’s pin location, for the selected date and time. Therefore, at 1:08am, reading the top panel (first screenshot), the Galactic Center will be at azimuth 145.6⁰ and elevation 12.1⁰.

At 4:34am, the Galactic Center will start to fade as we get into the morning astronomical twilight. Its position in the sky will be azimuth 191.5⁰ and elevation 20.2⁰.


At 1:08am, the Galactic Center is at azimuth 145.6⁰ and elevation 12.1⁰.
Galactic Center at the time it begins to fade: 4:34am.

You know all the basics now, let’s start the planning!

Remember, we'd like to find the right shooting spot and the right time to photograph the Galactic Center when is low in the sky and just in front of the Naveta. How to do it? Follow these simple steps.

First, set the time at 11:32pm on May 18th, right when the Galactic Center becomes visible, and check its elevation: 0.0⁰.

Second, on the Night Augmented Reality view, swipe your fingertip on the screen, from right to left, to move time forward until the Galactic Center has the elevation and position in the sky you desire. This happens at 1:33am on May 19th.


Galactic Center rise at 11:32pm May 18th 2015.
Galactic Center right where I want at 1:33am May 19th 2015.

Go back to the planner and check the elevation of the Galactic Center: 14.6⁰ (first screenshot). Now set the shooting spot. Drag and drop the Observer’s pin near the Naveta d’Es Tudons, in a way that the Galactic Center azimuth line is just in front of the ancient stone construction. This way, you’re choosing a shooting spot from where you’ll be able to shoot the Galactic Center when it is just in front of the Naveta.


Place the observer’s pin on a spot where the Galactic Center azimuth line is just in front of the Naveta.

And use the Night Augmented Reality view to check that the composition is right. As you see, it’ll be a great shot!


Check if you get the composition you want.

  • If you desire, you can adjust the composition by moving time directly on the Night Augmented Reality view.
  • If you want to test other possible shooting spots, just move the observer’s pin and repeat the same process.

6 Timelapsers! Galactic Center vs Milky Way Core visibility

The Galactic Center is displayed as a big red spot on the Night Augmented Reality view and the Core of the Milky way as a more realistic bright band.

If you plan to shoot a timelapse, you'll probably want to capture the rise of the Core. Therefore, you’ll need to assess when and where the Core will begin to appear above the horizon. This will happen before the rise of the Galactic Center and in a different direction (azimuth).

Thanks to the 2D Milky Way Planner and the Night Augmented Reality view, it is very easy to find out the exact time and direction the first stars of the Core will appear above the horizon level.

Let's move from the Naveta d'Es Tudons to the lighthouse of Artrutx, which is situated on the south coast of our island. Place the Observer's pin near the lighthouse.

Have a look at the first screenshot, it is 11:32pm, the Galactic Center is becoming visible at azimuth 128.5⁰. Notice that there are white dots of different size on the Milky Way Arch.

On the left-hand side of the arch, the dots are small and the same size. On the right-hand side, suddenly, the dots start to be bigger and bigger, meaning that the Core of the Milky Way begins to be visible. The right moment you see one of the white dots get bigger is approximately when the first stars of the Core become visible at the horizon level.

Therefore, move time backwards until the first big white dot appears on the Milky Way arch (second screenshot). This happens at 10:45pm. The white line that connects both ends of the arch is showing you the direction (azimuth) where Core is becoming visible.


It's 11:32pm, the Galactic Center is becoming visible.
The first bigger white dot tells you when and where the Core will start to appear above the horizon.

Using the Night Augmented Reality view is even easier to figure out. Just swipe your fingertips on the AR view, from left to right, to move time backwards, until you see the core appear above the horizon line.


The Galactic Center is rising and part of the Core is already above the horizon: 11:32pm.
The moment the core is appearing above the horizon: 10:45pm.

7 Video: Delicate Arch - Arches National Park (USA) - Galactic Center Visibility Evolution During 2015 - Northern Hemisphere

If you’re planning to go to the Arches National Park to hunt the Milky Way in 2015, have a look at this video and learn how the Galactic Center visibility time and direction change throughout the year at the Delicate Arch.

  • Total visibility time: 988.31 hours
  • Visibility peak: 5.63 hours, May 27th
  • Minimum visibility azimuth: 127.8⁰
  • Maximum visibility azimuth 232.2⁰
  • Hunting season:

8 Video: Cape Palliser (New Zealand) - Galactic Center Visibility Evolution During 2015 - Shouthern Hemisphere

I hope that those of you living in the Southern Hemisphere and, in particular, those living near Cape Palliser, enjoy watching how the Galactic Center visibility changes throughout 2015!


Block Reason: Access from your area has been temporarily limited for security reasons.
Time: Thu, 24 Jun 2021 12:12:45 GMT

About Wordfence

Wordfence is a security plugin installed on over 3 million WordPress sites. The owner of this site is using Wordfence to manage access to their site.

You can also read the documentation to learn about Wordfence's blocking tools, or visit wordfence.com to learn more about Wordfence.

Generated by Wordfence at Thu, 24 Jun 2021 12:12:45 GMT.
Your computer's time: .